quarta-feira, 5 de agosto de 2015

"Compras no Porto" por João Pires

No Porto, a par do comércio tradicional muito variado, com lojas das mais luxuosas e caras às mais modestas, proliferam os centros comerciais, que reúnem numa área coberta por vezes gigantesca, lojas das principais cadeias internacionais, cinemas, praças de alimentação e outros atractivos como o horário alargado e o estacionamento gratuito.



A estes conceitos junta-se o dos armazéns representado pelos Armazéns Marques Soares na zona dos Clérigos, e pelo espanhol El Corte Inglês, em Vila Nova de Gaia.

Depois temos o Mercado do Bolhão, a Pérola do Bolhão, o Centro Comercial Miguel Bombarda que não é mais um centro comercial, avisam à entrada, com pequenas lojas de design, de especiarias e demais produtos indianos, cosmética de origem biológica, joalharia contemporânea, roupa e acessórios.

Pérola do Bolhão
Pérola do Bolhão


A Vida Portuguesa com os sabonetes da Ach. Brito, as andorinhas de Bordalo Pinheiro, os lápis  da VIARCO, as cerâmicas Secla ou os cadernos Serrote, marcas nacionais que estavam quase em vias de extinção e que em boa hora foram devolvidas às prateleiras desta loja.

A cidade do Porto apresenta espaços que se recriam e dão lugar a ideias e formas de estar, diferentes.

galerias de arte contemporânea
galerias de arte contemporânea


A zona de Miguel Bombarda é conhecida como o “quarteirão das artes”, concentrando o maior número de galerias de arte contemporânea da Invicta, inúmeras lojas alternativas de moda e design bem como dispõe de espaços únicos para beber e comer, que atraem multidões ecléticas e fazem dos sábados um dia cool.

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

"Ribeira e Miragaia" por João Pires

Estas são as zonas mais puras e genuínas da cidade do Porto também conhecida por Invicta. Na Ribeira a densidade por metro quadrado de monumentos é espantosa. A agitação do tempo em que o Mercado da Ribeira era o mais concorrido da cidade, transformou-se em animação e lazer: esplanadas e cafés ocupam a Praça do Cubo (Praça da Ribeira) e o Cais da Estiva, enquanto os arcos medievais da antiga Muralha Fernandina foram aproveitados por restaurantes e lojas de artesanato. 

Praça da Ribeira
Praça da Ribeira


A cota alta da cidade, pode ser acedida pelo Funicular dos Guindais ou por longa escadaria, a partir da Ribeira até à Sé. Seguindo a marginal em direcção à Foz, a partir da Ribeira, chega-se a Miragaia

Situada já fora do burgo medieval, esta freguesia era um dos seus arrabaldes mais concorridos. Aqui, onde vivia uma comunidade de mareantes, instalaram-se os estaleiros medievais. Para minimizar os efeitos das cheias do Douro, Miragaia dotou-se, a partir do século XVII, de uma linha de casas sustentadas por arcos. 

Miragaia
Miragaia


Na segunda metade do século XIX assistiu-se à construção da Alfândega Nova, hoje um dinâmico pólo cultural. Ribeira e Miragaia são as mais típicas freguesias tripeiras, cuja população se desforra da desgraça das cheias do Inverno com a alegria contagiante das festas do Verão.

domingo, 2 de agosto de 2015

"O Porto e as pontes" por João Pires

Poucas cidades em Portugal serão unidas por tantas pontes como o Porto e Vila Nova de Gaia. 

Ponte D. Maria Pia
Ponte D. Maria Pia


Entre a construção da Ponte D. Maria Pia, em finais do século XIX e a inauguração da Ponte do Infante em 2002, quatro outras pontes vieram unir e aproximar estas duas cidades de tal forma que as fazem sentir uma só.

Ponte do Infante
Ponte do Infante


Quase todas estabeleceram um recorde mundial graças a determinadas características da sua estrutura, que atestam a evolução da engenharia civil ao longo da história da cidade.
Hoje, mais do que vias de tráfego, são monumentos que fazem parte da cidade do Porto, umas ex-libris do seu património histórico, outras prova da sua modernidade.